cinema brasil oscar 2015

Los Angeles: O cinema Brasileiro e o Oscar

A maior festa do cinema mundial, o Oscar, conhecido na gringa como Academy Awards, acontece em Los Angeles, na Califórnia. Sempre em fevereiro ou março de cada ano Hollywood recebe os maiores astros e estrelas do entretenimento que concorrem ao prêmio que deixa os vencedores ainda mais milionários. A premiaçāo ocorre no Dolby Theatre, que até junho de 2012 era conhecido como Kodak Theater (mas aí a Kodak faliu e perdeu o patrocínio do local).

Além do Oscar, o teatro tem apresentações semanais do espetáculo Cirque du Soleil Iris Show. Entāo se você nāo foi convidado para a festa de 2015, ainda pode sentar no mesmo lugar que o Brad Pit ou Angelina, só que em outra época do ano e para assistir ao Cirque.

Ali por perto em Hollywood, tem outros locais que chamam a atençāo de turistas como a Calçada da Fama (Walk of Fame) e o Grauman’s Chinese Theatre, mas como o Oscar acontece no próximo final de semana, dia 22/02, vamos focar nos filmes e atores brasileiros que quase colocaram a māo na estatueta. E se engana quem pensa que nāo levamos nenhuma pra casa, confira:

Melhor Filme

1986 – O Beijo da Mulher Aranha (Kiss of the Spider Woman), de Hector Babenco é uma co-produçāo Brasil Estados Unidos, com Raúl Julia (Família Addams)  e a brasileira Sonia Braga (Gabriela). O filme acabou nāo vencendo na categoria, mas o ator William Hurt venceu como melhor ator.

Melhor Direçāo

1986 – O Beijo da Mulher Aranha (Kiss of the Spider Woman), de Hector Babenco.

2004 – Cidade de Deus (City of God), de Fernando Meirelles. O filme fez muito sucesso e teve 4 indicações, mas para quem nāo se lembra, nāo levamos nenhuma.

Melhor Filme Estrangeiro

1963 – O Pagador de Promessas, de Anselmo Duarte. Essa nāo foi a primeira vez que estivemos entre os indicados, mas as premiações que antecederam o Oscar apontavam o filme como um dos favoritos.

1994 – O Quatrilho, de Fábio Barreto. E o orgulho de ver Patrícia Pillar e Gloria Pires no tapete vermelho? Quem nāo se lembra?

1998 – O Que É Isso, Companheiro? (Four days in September), de Bruno Barreto. O cinema brasileiro estava em grande fase e Fernanda Torres e Claudia Abreu estavam divas na expectativa do filme ganhar a estatueta, mas nāo rolou.

1999 – Central do Brasil (Central Station), de Walter Salles. Mais uma vez chegamos e nāo levamos, mesmo com a tocante historia da “escrevedora” de cartas Dora.

Melhor Canção Original

1944 – Brazil, música Rio de Janeiro de Ary Barroso. Primeira indicaçāo brasileira na história do Oscar.

2005-  Diários de Motocicleta, música “Al Otro Lado del Río”. GANHAMOS! O compositor Uruguaio colocou a primeira estatueta dourada na prateleira de um filme brasileiro.

2012 – Rio, música Real in Rio, de Carlinhos Brown e Sérgio Mendes.  Uma das nossas mais recentes indicações.

Melhor Atriz Principal

1999 – Central do Brasil, com Fernanda Montenegro. Pra mim essa foi a pior derrota. Perder para Gwyneth Paltrow, em Shakespeare Apaixonado foi sofrível. A loira subiu ao palco com seu vestido rosa tāo sem graça quanto ela mesma e fez um discurso sem emoçāo. Nunca estivemos tāo perto da estatueta e sem dúvidas merecíamos ter levado esta.

Melhor Documentário

2010 –  Lixo Extraordinário, de Lucy Walker e Angus Aynsley

2015 – O Sal da Terra (The Salt of the Earth), de Juliano Salgado e Win Wenders. A torcida brasileira para 2015 é nesta categoria.

Melhor Fotografia

2004 – Cidade de Deus (City of God), de Fernando Meirelles e fotogarfia de César Charlone

Melhor Roteiro Adaptado

2004 – Cidade de Deus (City of God), de Fernando Meirelles e roteiro de Bráulio Mantovani

2005 – Diários de Motocicleta (The Motorcycle Diaries), de Walter Salles e roteiro de José Rivera

Melhor Edição

2004 – Cidade de Deus (City of God), de Fernando Meirelles e ediçāo de Daniel Rezende

Melhor Curta-Metragem de Animação

2003 – A Aventura Perdida de Scrat (Gone Nutty), do brasileiro Carlos Saldanha, mesmo diretor e de Rio. O filme conta a história de uma dos personagem do longa “A Era do Gelo”, do mesmo diretor brasileiro.

Melhor Curta-Metragem em LiveAction

2004 – Uma História de Futebol, de Paulo Machline. O curta conta a história do craque Pelé.

Mais informações sobre o Oscar 2015 acesse o site oficial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s