Travel and The City: Amor Líquido e o passaporte

Amor Líquido e o passaporte

“Cada vez que você tem mais segurança, você entrega um pouco da sua liberdade.

Cada vez que você tem mais liberdade, você entrega parte da segurança.

Então, você ganha algo e você perde algo.” Zygmunt Bauman

Quando Zygmunt Bauman escreveu “Amor Líquido – Sobre a fragilidade dos laços humanos” em 2004, ele parecia prever que em 10 anos o Whatsapp, a selfie, o Grindr e o Tinder fariam com que sua obra ficasse ainda mais atual. O livro trata de como as relações estão cada vez mais “por um fio” em nossa sociedade. Se apaixonar e construir uma amizade se torna tão fácil como terminar, tudo isso por causa da banalização da palavra “amor” e do não entendimento de conceitos de “afinidade e parentesco”.

Hoje pegar uma mochila e sair pelo mundo deixou de ser uma decisão solitária, nada mais cômodo do que chegar em lugar, ligar seu aplicativo de preferência sexual e encontrar o par perfeito para cada destino. Para os mais conservadores e programados, vale entrar nos grupos de chat na web e encontrar seus novos amigos e pares previamente para a próxima aventura. Para os viajantes tímidos, a internet quebra barreiras, e para os ansiosos e carentes, ela ajuda a encontrar companhia em grande volume.

Então concluímos que é só coisa boa. Não. Bauman já cantou a pedra 10 anos atrás, e se o que vem fácil vai fácil, talvez na sua próxima viagem (com amigos ou sozinho) seja melhor desligar seu 4G, sentar a bunda do sofá do Hostel e tentar se conectar com pessoas da forma tradicional. Diga “olá” convide para um programa juntos e tente a sorte.

E se conhecer alguém de fora, se apaixonar e começar um namoro ponte-aérea, prepare o bolso e vai fundo. Pode durar, pode não durar, mas sem dúvidas será uma experiência única. Afinal, estar em um namoro à distância (Brasil –Marrocos/Jade-Lucas), não é se entregar ao acaso, pois mais do que amor, uma relação gringa demanda paciência, planejamento e disposição.

E porque não é raro escutarmos histórias de brasileiros que se apaixonaram por gringos, e vice-versa? Os motivos são muitos, a troca com alguém de fora é enriquecedora. A língua, o sotaque, costumes e cultura fazem a gente enxergar além. Então na balança dos prós e contras, só coloque esse amor na geladeira se for para que ele deixe não se torne Líquido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s